28 de nov de 2009

Modelagem em argila



1º momento- Apresentação e explicar como será o procedimento para as atividades do dia,
2º momento- BONECO ( Vitinho se apresentará para a turma e perguntará se eles conhecem seu avô o Mestre Vitalino. Vitinho explicará que seu avô é um artista popular muito famoso, que neste ano está sendo comemorado aniversário de 100 anos. Ele perguntará se a turma quer conhecer um pouco mais sobre seu avô e irá mostrar o 1º bloco do DVD, Arte na Escola do Mestre Vitalino
3º momento- Vitinho perguntará para a turma o que achou do DVD, e da obra do seu avô, perguntará como é mesmo o nome do Seu avô, o que ele fazia, que material utilizava, qual era sua brincadeira quando criança, o que ele representava na argila, nome da feira onde seus trabalhos eram vendidos.
Após o DVD, será apresentada a proposta de trabalho onde cada aluno irá fazer uma viagem no tempo, reportar a idade de aproximadamente 7 anos, onde poderá expressar através da modelagem na argila seu brinquedo preferido ou sua brincadeira preferida nesta idade.
4º momento- Finalização com a exposição das obras dos alunos.

Recursos: TV, Vídeo, Fantoche DVD ( ARTE NA ESCOLA Mestre Vitalino), , argila, , água, toalha, palitos, estecas, .
Avaliação: Avaliar através da observação se aluno identifica quem é o Mestre Vitalino, que tipo de material trabalha e o que expressa através do seu trabalho.
Avaliar o percurso de produção de cada um até o resultado final, se de alguma forma ele conseguiu expressar o que foi proposto.
Este planejamento é uma seqüência de 8 aulas sobre modelagem na argila, nas duas primeiras aulas o aluno irá, conhecer o que é argila, de onde retiramos a argila, porque ela tem várias cores, o que acontece quando ela é levada ao fogo, o que podemos fazer com ela, tipo: objetos utilitários, decorativos, obras de arte.
A criança fará várias experimentações com a argila.
O planejamento acima a aula 3, 4, sobre modelagem em argila.
Depois o aluno irá continuar na seqüência onde cada dia ele conhecerá um pouco mais da obra do Mestre Vitalino e irá receber proposta e desafios diferentes, até na última parte onde ele irá fazer a representação da figura humana.


1,2ª aula- Conhecendo a argila, fazendo experimentações
3,4- Conhecendo sobre vida e obra do mestre Vitalino ( 1ª parte), representar sua brincadeira ou brinquedo preferido na argila

5,6- 2º parte do DVD( Mestre Vitalino –DVD ARTE NA ESCOLA)- Representando bichinhos de sua região, ou seus animal preferido.

6,7-3º parte do DVD, representar figura humana, representar uma pessoa importante para você na argila.

DVD- MESTRE VITALINO ( COLEÇÃO ARTE NA ESCOLA)
Fantoche: Pode ser confeccionado com sucatas, caixa de leite.

Desenho animado

1ºmomento: O grupo apresentou um breve histórico do primeiro desenho animado, mostrou imagens desse desenho, a história de seus criadores.
2º momento: Falou sobre algumas etapas importantes na criação de um desenho, de um personagem.
3º momento: Propôs para turma que cada um criasse um personagem, e descrevesse as características desse personagem. ( Obs. Nenhum desenho deveria ser jogado fora, o importante seria ver o processo de criação desse personagem.
Proposta interessante para ser aplicada em sala de aula, principalmente com alunos a partir do 7º ano o ensino fundamental até 2º grau. Pois o universo de desenhos animados faz parte do cotidiano dos alunos e o desafio de criar seu próprio personagem com certeza é bem estimulante.
A proposta de todos os grupos foram muito interessantes e a prova foi que a própria aplicação das propostas na sala causou um impacto positivo na turma, criando motivação, interação, resultando em trabalhos criativos de excelente qualidade.
A conclusão do grupo é que a multimídia é uma ferramenta eficaz no ensino de Arte Educação que pode ser utilizada em todas as idades, com diferentes propostas. Quando utilizada de forma adequada faz com que as aulas de artes fiquem interessantes, prazerosas criando um ambiente onde o aluno possa expressar seus sentimentos e produzir de forma criativa, apropriando dos conhecimentos e das ferramentas atuais, tais como os diferentes recursos de multimídias, para enriquecer sua própria produção.

Grafite



momento :o grupo falou sobre os vários tipos de modalidades de grafite, mostrou várias imagens, como isso na prática é feito, suas origens.
momento o grupo : Selecionou uma das modalidades, a Lambe-lambe, que consiste em fazer desenhos figurativos em jornais, colorir com tinta e utilizar cola para pregar em paredes muros.
Toda sala participou, foi uma aula gostosa, que pode ser utilizada desde 2º ano do 1º até 2º grau, não emprega muitos recursos, pois pode ser utilizado jornais, cola caseira, tinta. Fica um trabalho muito bonito e interessante. Com certeza principalmente com público adolescente será bem aceito

Modelagem em argila

Pré e 1º ano do ensino fundamental

momento grupo utilizou um fantoche confeccionado pelo próprio grupo, utilizando caixa de leite e TNT, para apresentar a vida e obra do Mestre Vitalino para crianças.
momento mostrou DVD arte na escola sobre a vida e obra do Mestre Vitalino.
momento- Proposta para produzir, modelando na argila seu brinquedo ou brincadeira preferida.
Resultado interessante pois a utilização do fantoche e do DVD, chama atenção onde as crianças poderão conhecer sobre o artista, sua obra e apropriar desse conhecimento enriquecendo assim sua própria produção.
Pode ser utilizado em diferentes faixas etárias, utilizando a linguagem adequada para cada idade.

Criação de Adesivos baseados na obra do Keith Hening

1º momento- Grupo falou sobre a obra do artista, mostrando imagens, utilizou também imagens de vídeo do show da contora Madona, onde a mesma em seus shows faz utilização de imagens baseadas no trabalho do artista.
2º momento- Grupo apresentou a proposta, onde cada aluno poderia criar seu próprio adesivo, utilizando temas como crítica social, política. Etc.
Muito interessante a proposta, pode ser aplicadas em alunos do do 6º a 9º ano e ensino médio. Com certeza será um aula muito interessante.

Rebobine, por favor.

Elenco: Jack Black, Melonie Diaz, Danny Glover, Mos Def, Mia Farrow, Matt Walsh, Marcus Carl Franklin, Arjay Smith, Paul Dinello.

Direção: Michel Gondry

Gênero: Comédia
Foram apresentados alguns trechos do filme REBOBINE, POR FAVOR, onde conta a história de um homem que trabalha em um ferro-velho e, devido a um acidente, acaba tendo o cérebro magnetizado. Com o novo poder adquirido, ele apaga todas as fitas VHS da locadora do amigo (Mos Def) e os dois têm que refilmar todas as cenas dos filmes para agradar a única cliente da loja, é nessa hora que começam as maluquices, para filmar (suecados) os clássicos do cinema como “Conduzindo Miss Daisy”, “Ghostbusters”, “Hora do Rush”, “O Como fazem sucesso começam a filmar com a ajuda da população da cidade.

PROPOSTA
Cada grupo deveria fazer a releitura dos filmes escolhidos por cada grupo de poderia ter a duração de até 10 minutos. Os resultado foi a produção de vídeos, baseados nos filmes abaixo.
- As panteras (Pedro, Renata e Rodrigo).
- Chapeuzinho vermelho x vovó ( M. Terezinha, Lêa, Neide, Ilma , Aveline e Tiago).
- Procurando Nemo (Giullian, Carina, M. Julia).

A Releitura de filme é muito interessante para ser utilizado em sala de aula, principalmente no ensino médio, é um recurso importante onde o professor poderá envolver os alunos em um projeto a ser desenvolvido em grupos, mas que seja sempre observar com cuidado a escolha desses filme, pois faz parte de um recurso a mais no processo de educação sempre deverá servir como mais um instrumento de educação.

COMENTÁRIO DO TEXTO: Das infâncias plurais a uma única infância: mídias, relações de consumo e construção de saberes.

Este texto constitui de um trabalho de monografia onde as autorias fazem suas pesquisa sobre a influência da mídia televisa nas crianças da contemporaneidade, pois através processos de identificação com personagens da TV que ensinam aos telespectadores como devem se comportar e o que desejar.
A pesquisa foi realizada no ano de 2005, com crianças de 5 a 9 anos. Baseados em pesquisas e relatos as autoras relatam que sem dúvida a mídia televisiva exerce uma influência muito grande e levam em conta: Brinquedos e brincadeiras: mídia e relações de consumo, que as crianças além de assistirem os desenhos e propagandas estes são referenciais nas brincadeiras e também acabam consumindo produtos dos desenhos prediletos.
Constroem saberes, através dos jogos. As autoras relatam que apesar da TV, agir como fator de nivelamento social, capacitando as crianças a acessarem um código comum de comunicação, “ uma vez que transmite uma única mensagem que pode ser compartilhada por todos e que faz com que as crianças sintam em igualdade de condições porque conhecem as mesmas coisas e podem comunicar-se por meio delas”, por outro lado o consumo e a posse de produtos, como mochilas, bolsas, bolas, cadernos e material escolar em geral, bem como roupas, jogos e brinquedos que faziam referência aos personagens de desenhos animados e seriados, conhecidos por todas as crianças, condicionavam hierarquias no grupo.
As autoras relatam que a programação televisiva intervém profundamente na brincadeira, mas isso “não significa que a cultura lúdica da criança esteja inteiramente submissa à influência da televisão. Por um lado, certas brincadeiras escapam totalmente à influência da televisão e, sobretudo, onde sua influência é evidente, ela não é única”.

Portanto, os usos de temas dos desenhos animados conhecidos por todos do grupo e de brinquedos industrializados para organizar brincadeiras não impediam o jogo coletivo, a brincadeira transmitida via oralidade, aprendida no convívio coletivo do espaço escolar e do bairro.

As narrativas das crianças apontam que a referência aos desenhos animados, aos seriados televisivos e às propagandas, além da posse de brinquedos industrializados, não impede a prática de jogos e de brincadeiras tradicionais, as quais são compartilhadas, aprendidas e transmitidas no convívio em espaços coletivos. Essa constatação evidencia que a mídia televisiva, enquanto um espaço de aprendizagem, não age de forma unidirecional sobre os telespectadores infantis ao oferecer referências e fantasias das quais as crianças
se apropriam e expressam em suas diversas manifestações.

Finalizando as autoras apontam a necessidade de que as práticas escolarizadas considerem a diversidade de contextos e espaços de aprendizagem, como as mídias e suas linguagens, pelos quais as crianças têm acesso a informações e constroem, de modo interativo, concepções, valores e crenças a respeito do seu mundo.

Após leitura deste e discussão deste texto, e de que forma poderíamos utiliza a mídia televisiva ou o vídeo em sala de aula, pois os mesmos tem o fato de mostrar fatos que falam por si mesmos, mas necessitam do professor para dinamizar a leitura do que se vê. Dentro desta proposta fizemos um vídeo, cuja proposta é a releitura de um dos contos mais conhecidos do universo infantil, chapeuzinho vermelho. O vídeo foi elaborado colocando os personagens dentro de um contexto contemporâneo, onde permite os alunos discutir assuntos que são ligados ao seu cotidiano. Outra proposta foi elaborar um planejamento incluindo o DVD, como recurso no processo de aprendizagem, onde o professor teria o papel intermediador de instigador junto aos alunos, aliando no final seus conhecimentos com a produção proposta pelo professor.

Adesivo - Terezinha


Adesivo - Léa


Adesivo - Ilma


25 de nov de 2009

20 de nov de 2009

Áudio visual em celulares

video


Microfilme realizado com celular. Proposta de experimentação estética com o uso de um dispositivo com baixa qualidade.
Onde realizamos um microfilme que carrega uma visão do mundo de hoje, onde tudo passa rapidamente sem nos atentarmos para os detalhes que está a nossa volta.

Por sua imagem única, com poucas mudanças de movimento e cores, e grande capacidade de compressão ele foi considerado de boa qualidades e lhe garantem legibilidade, no que concerne à plataforma em que será visualizado (os dispositivos telefônicos móveis), e adequação ao contexto de fruição das telas pequenas. Isso, além da duração do curta, que apresenta rápido download.
A câmera estática, aliada ao close e ao foco em um único objeto, no centro da tela, permite maior nitidez da imagem final, uma vez que os recursos atuais ainda não permitem boa definição de imagens em movimento nem detalhamento de planos abertos.
Com uma câmera de qualidade inferior, com poucas funções e ajustes, e de fácil manuseio, o celular proporcionou ao autor uma liberdade incomum.
Ele pôde abrir mão de tarefas usuais e demoradas que envolvem a confecção de um vídeo. Não houve produção de cena porque os detalhes no cenário mal seriam percebidos. Nem artifícios de iluminação devido à baixa capacidade de processamento de cores da câmera. Não houve diálogos por causa da ausência de captação de som com boa fidelidade.
Quantas vezes você usa o celular por dia? Quanto de informações você recebe ou envia pelo celular? Onde há maior circulação de informações na vida das pessoas hoje? Você já assistiu vídeos em celulares?
As perguntas acima são questionamentos aparentemente simples, no entanto, são informações difíceis de serem mensuradas. E justamente por serem dados especulativos, ainda não têm credibilidade perante uma parcela da população. Mas isso apenas contribui para as discussões e debates sobre o tema.
Mas para se falar de vídeos em celulares, ou audiovisual em mídias móveis, também é necessário entender a relação das pessoas com os demais meios de comunicação e transmissão de imagens e sons, analógicos ou digitais. Isso é fundamental para que se possa prever a aceitação dessas tecnologias móveis e o impacto de novas linguagens.
Trata-se de transições culturais e tecnológicas. Assim como foi com o cinema e o vídeo ou com a TV e a internet.
Um nunca substituiu o outro, mas todos se influenciam e se “contaminam”. Os celulares serão apenas mais uma ferramenta para dar continuidade a esse processo de hibridização.
Se antes existia uma diferença perceptível entre os meios e seus conteúdos, agora ela passa a ser menos evidente. Isso acontece, pois os criadores já não fazem uma obra pensando apenas em um único suporte.

19 de nov de 2009

Arte pós-pictórica
























Teve influência do expressionismo abstrato, com raízes na arte européia, conhecida também como pintura de campo de cor. é idependente das formas técnicas de estruturação da pintura, remetendo a imaterialidade, sendo ela mas prenchidas por cor doque por formas. Algumas vezes como nas obras de Kely, a pintura de campo de cor são definidas uma contra outra, como um campo de figura e outro de fundo.
"A tendência da abstração pós-pictórica foi denominada em Nova York e não na Europa, com exceção da Inglaterra" tem caracteristicas, tais como:

  1. Busca se ater a coisas estritamante pictóricas, contudo, independente do sistema pictórico, seja surrealistas, cubistas ou estruturais;
  2. Uma tendência em despojar a arte de todo significado extra-visual, seja literário ou simbólico;
  3. A cor se torna um tema visual;
  4. O artista busca articular a superficie da pintura como um campo de cor, mais doque como uma composição;
  5. Há uma busca da bidimensionalidade."
Sendo assim baseado nesta pesquisa realizamos fotografias de formas e cores encotradas emm nosso dia-dia que trazem tais caracteristicas. Uma proposta que pode ser aplicada em sala de aula com todas a fazes da história da arte, com o contúdo aplicado, de forma que os alunos compreendam as caracteristicas de cada movimento. podemos pedir para que os alunos com uma camera de celular ou digital, registrem seu meio de vivencia imagens que se aproximem do estudado.
Assim apresentamos algumas fotos por nós tiradas.

9 de out de 2009

STOPMOTION

Video realizado em proposta de criação de Stopmotion. Com duração de 0,39 segundos.


O Stop Motion, é uma modalidadede animação que utiliza modelos de diversos materiais, dentro dos mais comuns, estão a massa de modelar.
Durante muito tempo os recursos audiovisuais só poderiam ser utilizados por profissionais com acesso à tecnologia do cinema e da televisão. Hoje, porém, com a popularização da câmera e com a existência de produtos simples e custos baixos qualquer um pode produzir e editar uma história digital com extrema facilidade de comunicação.
Na Atividade de Aprendizagem, o aluno aprende com operações e ações pertinentes ao que se está produzindo. No caso do Stop Motion, o enredo, a criação do roteiro, a confecção dos personagens, dos cenários, a sonorização, a iluminação, os materiais necessários para a produção, a fotografia, a reprodução do movimento constituem-se nas operações e ações que propiciarão ao aluno entrar em contato com conceitos de diversas áreas do conhecimento,a Atividade de Aprendizagem em stop motion, estabelece relações entre processos tecnológicos artesanais, como confecção de bonecos, cenários com recursos tecnológicos como máquina fotográfica digital e o software de edição.
Nesse processo, os professores participam como autores privilegiados, mediando a aprendizagem e o desenvolvimento do aluno. Numa Atividade de Aprendizagem utilizam-se diversos objetos de aprendizagem para que os educandos apreendam os conceitos trabalhados.
Assim com esta Atividade de Aprendizagem, pretende-se possibilitar elaborações criativas, por parte dos professores e educandos, trabalhando com conceitos de Movimento, Forma, Espaço, Texto, Coesão, Cinemática, Cultura Estética, Tempo, Ética, Mídia,, possibilitando vários nexos nos diversos campos do conhecimento.

1º Momento- o grupo explicou para sala o que é um STOP MOTION, apresentou alguns exemplos, utilizando o data show.
2º momento- Apresentou a proposta para sala, onde cada grupo deveria fazer um Stop Motion, utilizando o material que quisesse, o tema era livre.
3º momento- Cada grupo elaborou seu Stop Motion , e apresentou para toda sala, o resultado foi excelente.
Proposta interessante, pois mesmo com uma simples câmera de celular, utilizando, semente, massa modelar, imagens, linha, cordão etc. Utilizando um simples programa como o Movie Maker, o oluno pode fazer sua própria animação. Envolve os alunos e o resultado é excelente.